Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Logon

 

SAC: 0800 -772 3030   |
HTML do menu mobile

Skip Navigation LinksNormativa-NAE

NAE - Núcleo de Assuntos Estratégicos

Normativa NAE

Sumário

I. Da missão
II. Da organização interna
III. Da questão partidária
IV. Da escolha dos candidatos
V. Dos recursos financeiros
VI. Das disposições gerais

I – DA MISSÃO

1) O Núcleo de Assuntos Estratégicos – NAE, é um órgão de assessoramento da Federação das Unimeds do Estado de São Paulo  e sua  missão é  executar ações de assessoria estratégica nas áreas política, institucional e de mercado.

1.1 - Na área política, a assessoria estratégica busca a abertura e ocupação de espaços na vida pública partidária, com vistas a defender e propagar os princípios  do cooperativismo médico, respeitados os princípios da ética e da moralidade, defendendo os interesses da cooperativa, seguindo sempre o disposto nestas normativas.

1.2 - Na área institucional,a assessoria estratégica se reveste de apoio e orientação ao cooperado que almeja participar das instituições representativas de classe, a fim de sensibilizar os profissionais médicos para a causa do cooperativismo, defendendo os interesses da cooperativa e, igualmente, seguindo os princípios da ética e moralidade e conforme o disposto nestas normativas.

1.3 - Na área de mercado, a assessoria estratégica se reveste de apoio e orientação a Singulares e Intrafederativas com vistas a otimizar as ações de ampliação e manutenção  de mercado, de modo a solidificar as cooperativas singulares, criando espaços de trabalho para o médico cooperado, seguindo os princípios da moralidade e da ética e conforme o exposto nestas normativas.

II - DA ORGANIZAÇÃO INTERNA

2) O Núcleo de Assuntos Estratégicos terá um Coordenador Político estadual e outro federal, e um Coordenador Geral,  além de estrutura administrativa interna para operacionalizar e agilizar suas ações.

2.1 - Caberá ao Coordenador Político a articulação política em nível estadual e federal junto aos demais deputados eleitos compromissados com a Unimed, como também auxiliar o coordenador geral na articulação política em todos os níveis.

2.2 - Caberá ao Coordenador Geral a execução das ações administrativas do Núcleo, bem como o relacionamento político com os deputados, prefeitos e vereadores unimedianos eleitos.

3) Os Coordenadores Políticos serão escolhidos pela Diretoria da Fesp dentre os deputados estaduais e federais, de preferência unimedianos.

4) O Coordenador Geral será escolhido pela Diretoria da Fesp, levando-se em conta a sua experiência e atuação nas esferas de política partidária e institucional.

5) Os mandatos dos Coordenadores Políticos e Coordenador Geral, deverão coincidir com o mandato da Diretoria da Fesp, sendo que a critério da mesma poderá haver substituições durante os mandatos.

6) O NAE poderá contratar uma assessoria técnica para orientar e executar ações políticas de marketing partidário, institucional e de mercado, após aprovação da Diretoria da Fesp.

7) O Núcleo elaborará um planejamento anual de atividades, sempre em comum com as orientações emanadas pela Diretoria e Conselho da Federação.

8) O Núcleo se reunirá em sessão plenária bimestralmente sob a presidência do Presidente da Fesp e/ou Superintendente da Fesp, com a presença dos Coordenadores Políticos, quando necessário, e do Coordenador Geral, além de deputados eleitos com o apoio do NAE, especialmente convidados.

8.1 - As sessões plenárias terão a finalidade de avaliar as ações do Núcleo e propor novas ações para um melhor desempenho político da Fesp na conquista de seus pleitos junto aos governos federal e estadual e de mercado.

9) As Intrafederativas participarão do NAE, através de dois Coordenadores Regionais especialmente designados para fazerem parte das sessões plenárias.

9.1 - Os custos dos Coordenadores Regionais correrão por conta da Intrafederativa respectiva.

9.2 - Nas reuniões extraordinárias, quando convocadas para algum fim específico, as despesas correrão por conta da Fesp.

9.3 - A Intrafederativa que desejar poderá a qualquer tempo substituir seus coordenadores conforme seus interesses.

10) O Núcleo de Assuntos Estratégicos poderá oferecer orientação estratégica nas áreas de sua competência de modo a auxiliar as Singulares e Intrafederativas em suas necessidades e carências.

11) O Coordenador Geral do núcleo, e o Assessor Técnico estarão presentes no mínimo uma vez por semana em São Paulo, na sede da Federação,  para atendimento e orientação política estratégica nas diferentes ações praticadas pelas Intrafederativas, Singulares e pelos políticos unimedianos eleitos nas três esferas, municipal, estadual e federal.

III - DA QUESTÃO PARTIDÁRIA

12) O Núcleo de Assuntos Estratégicos não mantém compromisso ou preferência por qualquer sigla partidária.

13) A escolha do partido através do qual cada candidato concorrerá aos cargos eletivos nos pleitos municipal, estadual e federal, é de total vontade e preferência dos respectivos candidatos.

13.1 - O NAE incentivará sempre seus candidatos a escolher siglas partidárias que valorizem e façam por prevalecer os interesses cooperativistas.

IV – DA INDICAÇÃO DOS CANDIDATOS

14) Para recebimento de apoio, a escolha final dos candidatos aos pleitos estadual e federal, caberá à Diretoria da Fesp, ouvidos o NAE e o Conselho de Administração, e o apoio poderá recair tanto em cooperados como em não cooperados da Unimed.

14.1 - Os critérios de apoio, envolvendo valores e assessoria política, serão elaborados pleito a pleito conforme as possibilidades e interesses da Fesp.

15) Cada Intrafederativa poderá apresentar um candidato a deputado estadual e um candidato a deputado federal que, poderão ou não, serem cooperados unimedianos, independentemente da relação dos indicados da  Fesp.

15.1 - Os candidatos das Intras serão considerados candidatos “distritais” da Fesp.

15.2 - As Intras, para a escolha de seus candidatos distritais, deverão levar em consideração as lideranças mais significativas existentes nas suas regiões respectivas.

15.3 - O custo das candidaturas “distritais”, a partir da segunda indicação, com referendo da Intrafederativa e anuência da Fesp, serão sempre rateados entre a Fesp e a própria Intrafederativa, na exata proporção de 50% (cinquenta porcento) para cada parte.

15.4 - As candidaturas “distritais” deverão ter também apoio e participação das Singulares e para tanto será elaborado um planejamento especial com metas a serem cumpridas por singular.

16) Nas eleições municipais, a responsabilidade da indicação e o apoio aos candidatos, unimedianos ou não,  fica inicialmente a cargo de cada Singular.

16.1 - Após a comprovação do comprometimento da singular com o candidato, seja através de ajuda material ou divulgação, a Fesp avaliará a possibilidade de compartilhamento, se possível juridicamente.

17) As indicações dos candidatos deverão sempre vir acompanhadas de uma criteriosa análise de cada interessado com vistas a verificar seu comprometimento com o cooperativismo, principalmente com o cooperativismo médico, e a certeza de que, em algum momento, o candidato em questão não tenha atuado contra o cooperativismo em geral.

18) Igualmente deverá ser feita análise  dos candidatos de modo a se investir nas lideranças mais prováveis de obtenção de sucesso, nem que para a referida indicação seja necessária a realização de pesquisa de intenção de votos para orientar a escolha dos nomes ideais.

19) Deverão ter  preferência de apoio político os candidatos com mandato que demonstraram efetivo comprometimento com a Unimed durante sua gestão.

19.1 - O NAE baseado nas características de cada pleito deverá desenvolver em cada um deles, critérios objetivos de classificação de candidatos a fim de melhor sugerir à Fesp os candidatos apoiados.

V - DOS RECURSOS FINANCEIROS

20) A Fesp poderá, a seu critério, auxiliar financeiramente as Singulares quando das eleições municipais.

21) A Fesp poderá acatar indicações de candidatos das Intrafederativas e Singulares para as eleições municipais, estaduais e federais, desde que os custos sejam compartilhados entre as cooperativas envolvidas.

22) Os candidatos regularmente indicados aos pleitos municipais poderão ter assessoramento logístico e  operacional do NAE, da mesma forma que caberá a Fesp decidir sobre o apoio financeiro compartilhado aos candidatos municipais de cada singular, desde que possível juridicamente.

23) O Núcleo poderá disponibilizar assessoria estratégica a todos os eleitos, candidatos, Singulares ou Intrafederativas, desde que solicitado.

VI - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

24) A Coordenação Geral poderá criar Comissões Internas ou Grupos Tarefa com fins específicos para auxiliar o NAE em eventos ou ações temporárias, sempre com a autorização prévia da Diretoria da Fesp.

25) A forma de compartilhamento de custos citada nestas normativas será sempre objeto de acordo entre a Diretoria da Fesp e os interessados.

26) O membro do NAE que tiver a intenção de se candidatar a cargos do Legislativo ou do Executivo deverá se licenciar temporariamente de suas funções no NAE 06 (seis) meses antes do pleito.

26.1 - A excepcionalidade desta norma, quando houver, será analisada caso a caso pela Diretoria da FESP, e, em última instância, o Conselho de Administração, sempre ouvido o próprio NAE.

27) Ficam revogadas todas as disposições anteriores que contrariem o disposto nas presentes normativas.

28) Os casos omissos nestas Normativas serão interpretados e julgados pela Diretoria da Fesp, ouvido o Conselho de Administração.


Faça o download do modelo da normativa municipal.

COPYRIGHT

Copyright © 2016 - Unimedfesp.com.br - Política de Privacidade Rua José Getúlio, 78/90 - Aclimação - São Paulo - SP - CEP 01509-000 - Tel:(11)2146-2500 

CERTIFICAÇÃO

Unimed Fesp 2016